fbpx

Deputado Itamar defende menos burocracia para liberação de crédito a micro e pequena empresa

image_pdfimage_print

 

O presidente da Frente Parlamentar do Empreendedorismo e Combate à Guerra Fiscal da Alesp, deputado Itamar Borges, participou da  Web Conference do Conselho Superior da Micro, Pequena e Média Indústria – Compi da Fiesp, realizada nesta sexta-feira, 26 de junho.

 

A reunião, coordenada pelo presidente do Compi e vice-presidente da Fiesp, Milton Bogus, debateu o tema “A Recuperação e o Crédito para as Micros, Pequenas e Médias Indústrias na Crise da Covid-19” e teve como expositores: Fábio Gallo Garcia, conselheiro do COMPI e professor da FGV; Nelson Antonio de Souza, presidente da Desenvolve SP; Tiago Luiz Cabral Pérola, chefe do Departamento de Clientes e Relacionamento Institucional do BNDES; e Guilherme Afif Domingos, assessor Especial do Ministério da Economia.

 

O deputado Itamar destacou o importante papel do Compi na promoção do diálogo e para articular as demandas dos pequenos empresários. “Nesse período de crise na saúde e na economia, o pequeno empresário não pode ficar abandonado à própria sorte. O Conselho dá bom exemplo ao reunir especialistas e autoridades responsáveis pelas políticas públicas para os empreendedores”, disse.

 

Itamar Borges também falou sobre os programas e fundos de créditos emergências criados para minimizar os impactos da pandemia de Covid-19 na economia, mas que as exigências para o empréstimo acabam inviabilizando o acesso dos pequenos ao crédito. “Nossa proposta é que o Banco do Povo e a Desenvolve-SP também adotem a regra do Pronampe. Com empréstimo automático para até 30% do valor do faturamento do ano anterior. Estamos com muita expectativa pelo anúncio de crédito feito pelo Governo do Estado, com juros baixos, carência e agilidade na aprovação”, disse o parlamentar.

 

Na mesma linha, Guilherme Afif disse que as instituições financeiras preferem emprestar 3000 para uma empresa do que emprestar 30 para 100 empresas. Defendeu as medidas aprovadas no Congresso, como o FAMPE, onde o Governo deve oferecer a garantia e os Bancos devem emprestar até 30% do faturamento das MPEs no ano anterior. Sugeriu ainda novas medidas, por exemplo, repassar dinheiro de forma ágil para as microempresas por meio das maquininhas de cartão de crédito.

 

O presidente da Desenvolve SP, Nelson de Souza, destacou os empréstimos para empresas e para os municípios e demonstrou forte comprometimento com os pequenos negócios. Também agradeceu a proposta do deputado Itamar e disse que irá levar para análise do Comitê de Desenvolvimento Econômico do Governo do Estado.

 

O vice-presidente do Compi, Marcos Reis, também sugeriu a manutenção dos prazos de até 180 dias para recolhimento dos impostos. “Essa é uma forma de incentivo fiscal”, afirmou.

 

Também participou o presidente do Sescon-SP, Reynaldo Lima Jr., que colocou a classe contábil como parceira para orientação sobre as possíveis ações para manutenção de empregos, acordos com os funcionários, planejamento tributário, e outras ações. Além disso, demonstrou grande preocupação para a sobrevivência e saúde das micro e pequenas empresas a dificuldade de acesso ao crédito, disse que apesar das várias linhas de crédito que estão sendo disponibilizadas pelo Governo Federal, há um baixo interesse das instituições bancárias privadas liberarem esses recursos, não chegando na ponta para quem realmente precisa, as micro e pequenas empresas, as mais fragilizadas nesse momento.

 

Compartilhar